/Férias em Maragogi e Porto de Galinhas em baixa temporada

Férias em Maragogi e Porto de Galinhas em baixa temporada

[POST POR UM VIAJANTE DIFERENTE] Estava planejando minhas merecidas férias após quase 2 anos apenas trabalhando quando me deparei com uma passagem barata para Maceió – Alagoas e logo tratei de comprar, junto com um amigo. Em virtude de estudar em uma faculdade um pouco peculiar, minhas férias ocorrem em Setembro e por esta razão comprei para este período chamado de “baixa temporada”.

Logo veio a vontade de conhecer o chamado “Caribe Brasileiro”, em Maragogi – Alagoas. Eu sabia que provavelmente não encontraria o lugar como nas fotos, devido ao período chuvoso (e também com muito vento), mas eram as merecidas férias na praia (e com calor!!!) que eu estava procurando. Ainda aproveitei e consegui colocar Porto de Galinhas, no Pernambuco, no roteiro. Vamos conferir como foram as férias em Maragogi e Porto de Galinhas em baixa temporada? Vem com a gente!

Eis que chegou o dia <3. Do Aeroporto de Maceió até a cidade de Maragogi são aproximadamente 2 horas. Conseguimos reservar um traslado privativo por 340 reais (ida e volta) para os dois. Talvez fosse possível até encontrar mais barato, mas a média que estávamos encontrando estava por volta de 560 reais (ida e volta). Chegamos por volta das 14h em Maragogi.

Ficamos hospedados no Maraga Beach Hostel, de frente para o mar. Não quero discutir as vantagens e desvantagens deste tipo de acomodação, porém gosto bastante devido ao intercâmbio cultural que se adquire com os mais diversos tipos de pessoas que costumam se hospedar nestes locais. As acomodações eram bem limpas, com ar-condicionado, roupa de banho e de cama a disposição e funcionários atenciosos.

A primeira notícia foi das piores: as piscinas naturais de Maragogi estavam fechadas!!! Isso mesmo, ninguém estava realizando os passeios até às piscinas devido a maré alta. Então vai ai a primeira dica: atentem para comprar suas passagens para fazer a visita quando a maré estiver baixa. Os passeios por lá ocorrem com a tábua da maré no máximo até 0.6 m. Para nossa sorte havíamos reservado alguns dias para ficar pela região e no nosso último dia em Maragogi a maré estaria em 0.6, a mais alta para se realizar o passeio.

Como as tábuas de maré são divulgadas apenas de mês em mês fica uma dica que pode ajudar: faça uma estimativa, semana boa (maré baixa) e na seguinte, semana ruim (maré alta), considerando a tábua de mare mais recente, até chegar até a data próxima de sua viagem. Para obter este tipo de informação e outras dicas, acessem: Maragogi Online.

Pois bem, não podíamos perder nem um minuto das férias, então, apenas acomodamos nossas bagagens no quarto e logo saímos para passear.

Quase todos os passeios que se faz por essa região pode-se incluir o trajeto de Buggy. Os donos dos buggies costumavam fechar o valor do veículo por 200 reais para 4 pessoas (50 reais, a nota mágica para o povo Alagoano :P). Não possuo informação a respeito dos valores em alta temporada.

De buggy fomos para a nossa primeira praia, a Praia de Antunes. Simplesmente linda. O motorista nos deixou ficar por cerca de 1h no local para podermos entrar no mar. Eu sequer hesitei. A combinação do mar calmo com os coqueiros na praia foi perfeita. Nesta mesma praia é “tradição” tirar foto em cima do coqueiro como na foto aí. Bem legal.

Além desta, fomos ainda para a chamada Praia da Bruna (Lombardi), em razão da atriz ter feito uma novela por lá e agora possuir uma casa de frente para o mar. A praia é muito parecida com a de Antunes. Muitos passeios de barco são feitos até lá e no meio do mar existem barzinhos flutuantes onde são servidos qualquer tipo de bebida e espetinhos. Bem legal. Esta região a altura da água ficava na cintura!

Logo o passeio se encerrou e retornamos ao hostel. No caminho de volta verificamos que a cidade de Maragogi (estávamos bem no centro mesmo) é uma cidade pouco desenvolvida, apesar do grande nome turístico, mas nada que não nos permitisse aproveitar cada segundo no lugar.

A noite fomos até a praia jantar. Existem ótimos restaurantes à beira-mar e cada dia jantamos em um lugar diferente. Um dia comemos comida japonesa, em outro um prato grande de porção de peixe (muito bom) e em outro fomos na Pizzaria Regina que possuía pizzas maravilhosas (indico a que possui salmão com cream cheese!).

Outra dica super importante: não deixem de ir na Creperia Degutti: maravilhosa!!! Ela é uma franquia (não sabia que existia em São Paulo). Bem gourmetizada, mas vale muito a pena. Ela não fica na orla, mas uma quadra atrás. Esse da foto foi a sobremesa, sabor Nutella com morangos e o sorvete, excelente, sabor de capim santo. Há opções light!!!

Creperia Degutti
Creperia Degutti

No segundo dia acordamos cedo, aliás todos os passeios começam cedo, e fomos para Porto de Galinhas, em Pernambuco, (por volta de 1h30 de onde estávamos hospedados). O passeio nos custou 50 reais para cada um em uma van com guia. Chegando lá, a certeza: deveríamos ter ficado hospedados pelo menos uma noite em Porto de Galinhas =/. O lugar possui uma estrutura muito legal para os turistas e muitas atrações de dia e principalmente à noite (o que falta em Maragogi).

Dividimos o dia da seguinte maneira: de manhã passeio de buggy (50 reais) por 4 praias próximas a Porto de Galinhas. Voltamos para almoçar e após isso tivemos que decidir se iriamos para as piscinas naturais de Porto de Galinhas ou se realizariamos mergulho com cilindro. Optamos pelo mergulho (80 reais 30 min). Era minha primeira vez…

Dentre as praias que visitamos de buggy (que aliás não tivemos sorte desta vez, pois pegamos um motorista bem apressado) cito a Praia de Muro Alto (leva esse nome devido aos recifes).

Porto de Galinhas

A praia estava excelente, bem movimentada, com água calma e limpa. Ficamos por lá por volta de 1h também e retornamos para almoçar.

O almoço em Porto de Galinhas foi excelente. Almoçamos no restaurante de frente para o mar chamado Peixe na Telha. O meu prato custou por volta de 40 reais com bebida e estava muito bom!

Peixe na Telha

Após um tempo fomos encaminhados para a salinha onde haveria o treinamento para o mergulho com cilindro. Dentro do mar, quando eu deveria abaixar a cabeça, nunca passei tanto medo na vida. Mergulhador de primeira viagem. Perdi uns 5 minuto para criar coragem e não criei, estava quase desistindo, mas o guia tomou a coragem por mim e me puxou para baixo 😀 …. passou um tempo e eu tive que pensar em viver e aí lembrei do que deveria fazer lá embaixo (4 metros de profundidade), mas o mais importante é manter a calma. Passado todo o medo consegui curtir o momento e aproveitei muito o “carinho” dos peixinhos coloridos. Estava tudo lindo.

Depois de todo o sofrimento, sobrevivi 😀 😀

No outro dia, já de volta à Maragogi decidimos fazer outro passeio, desta vez para a cidade de São Miguel dos Milagres. Fomos novamente de Van com guia (50 reais). Um grupo resolveu fazer um dos passeios que é bastante requisitado: ver os peixes-boi no rio (50 reais). Nós optamos apenas por curtir a praia (o pessoal que foi para o passeio não conseguiu ver os bichos =/). Ficamos o dia todo numa praia linda, com mais coqueiros e água limpa. O mar estava um pouco “sujo” de areia pois havia chovido nos dias anteriores.

Ficamos próximos a um restaurante com boa comida e bom atendimento com guarda-sol na praia e garçons servindo na mesa.

Recebi até a visita do amiguinho aqui:

Amiguinho

Achei que ia me pedir 50 reais também!

Todos os passeios mais distantes foram feitos via empresa Costa Azul, mas pesquisem, sempre encontrarão preços mais acessíveis.

No último dia em Maragogi, acordamos as 5h30 da manhã (devido a questão da maré) para realizar nosso passeio até as Piscinas Naturais. Fomos agraciados com esse nascer do sol.

Nascer do sol em Maragogi

O passeio de catamarã até as piscinas custou a bagatela de 50 reais por pessoa. A essa altura já estávamos em um grupinho de 4 pessoas conversando para ir até o lugar e decidimos fechar juntos o aluguel dos snorkel. Estava 15 reais por pessoa. Pedimos desconto e na hora o rapaz que alugava os itens abriu um sorriso: “dá pra fazer por 50 reais” :D.

Já na embarcação e há mais de 6km da costa já nos aproximávamos das piscinas e dos recifes. No dia ventava bastante e isso atrapalhou um pouco o passeio, pois o mar estava “puxando”.

Próximo às Piscinas Naturais

Logo o céu abriu mais e o sol apareceu forte. (Usem protetor solar em todas as partes do corpo e não façam como eu que deixei de passar protetor no único lugar impossível de esquecer, o peito, e não fiquem parecendo uma cortina colorida).

Graças àquelas capinhas de celular a prova d’água foi possível fazer fotos legais por lá. A capinha funciona mesmo (fizemos o teste antes, em um balde, no hostel :D).

 

Há de se preocupar em não pisar em ouriços para não acabar com sua viagem! Consegui tirar essa foto de um deles bem no canto superior direito:

Terminado o passeio por volta das 11h da manhã, nos apressamos e retornamos para Maceió para passar pelo menos uma noite e um dia por lá. Único passeio que faltou fazer foi visitar a Praia dos Carneiros, mas fica pra próxima.

Em Maceio, ficamos hospedados no Hotel Palmanova. Boa estrutura, porém um pouco afastado de Ponta Verde e a Praia de Pajuçara, os pontos movimentados da cidade. O hotel fica de frente para um excelente shopping, o Parque Shopping.

À tarde fomos à uma feirinha na Praia de Pajuçara. Como em todas as cidades que visitamos havia vários artesanatos e souvenires. Durante esse passeio logo fechamos o que faríamos no nosso último dia em Alagoas, um passeio às praias ao sul do estado e adivinhem quanto custou o passeio por pessoa? Isso mesmo, 20 reais (Não estávamos mais em Maragogi :D). A cidade é muito bonita, próxima às praias e possui muitas atrações. Não faltou a cervejinha da noite.

Acordamos cedo, para variar um pouco, e logo a van nos buscou no hotel para iniciarmos o passeio. O guia era o próprio motorista, o Sr. Anísio, um senhor muito simpático. Falou sobre a história de todos os lugares que passamos.

A primeira praia foi a Praia do Francês. Uma praia com grande estrutura e bastante movimentada, mas nada de muito interessante, embora belíssima.

Praia do Francês

Em seguida fomos para a Praia do Gunga, e para minha surpresa, encontramos uma das mais belas paisagens de toda a viagem. Valeu muito a pena ter ido no último dia neste passeio que até então nem tínhamos pesquisado nada. A praia possui de tudo: rio, fazenda de cocos, e pra mim o principal: as falésias. Para ir até as falésias pode-se escolher ir de buggy pelos valores já mencionados acima, ou então alugar um quadriciclo por 100 reais para 2 pessoas (façam as contas!).

Caminho até as falésias da Praia do Gunga em Barra de São Miguel.

Aqui apareço motorizado 😀 e já avistamos as falésias a frente. As fotos não descrevem a beleza do lugar. Reparem no tamanho do buggy lá atras para comparar como tamanho das falésias.

E por fim, este riozinho para completar este passeio. Lugar maravilhoso!!!

Riozinho

O período que passamos em Alagoas e Pernambuco (Porto de Galinhas) foi curto, mas aproveitamos cada segundo e recomendo muito conhecer estes lugares. Quero retornar até lá e ficar hospedado alguma noite em Porto de Galinhas e conhecer mais também de Maceió.

Minhas férias de uma semana (incluindo passagem, comida, hotéis, passeios e presentes :D) custou 2000 reais!

Obrigado ao blog e até mais 😀

Will