/Exposição: “O Borbulhar de Universos”, no Festival Internacional de Linguagem Eletrônica, em São Paulo.

Exposição: “O Borbulhar de Universos”, no Festival Internacional de Linguagem Eletrônica, em São Paulo.

Que tal uma exposição onde não passamos vontade de tocar nas obras, onde podemos fazer parte delas e interagir? Esta é a exposição “O Borbulhar de Universos”, do FILE (Festival Internacional de Linguagem Eletrônica), que está rolando no prédio da FIESP, em São Paulo.
Uma exposição que há 18 anos nos proporciona experiências, misturando arte e tecnologia.

O tema deste ano é “O Borbulhar de Universos”, que nos conta um pouco sobre como as informações nos são passadas, verdadeiras ou não, por meio das redes sociais. Informações estas que são acessíveis a todos e ninguém escapa. Nenhuma disciplina fica dentro dos limites e tudo continua expandindo. O universo se tornou pequeno e o universo de informações está infinito. Estamos em uma era de universos borbulhantes.

Logo que entramos na exposição vemos a obra “Black Hole Horizon”, do artista alemão Thom Kubli. Nesta obra bolhas de sabão são criadas à partir do som de cornetas, onde cada timbre e som geram diferentes tipos de bolhas. Está é uma das poucas obras que não é interativa, mas confesso que a vontade de ultrapassar os limites da obra e estourar todas as bolhas que vão surgindo é grande, haha.

Black Hole Horizon

A obra “Les disciplines du rectangle” (As disciplinas do retângulo), dos artistas franceses do One Life Remains: André Berlemont, Kevin Lesur, Brice Roy & Franck Weber, é uma instalação interativa. Você deve ficar em frente a um dos três totens compostos por uma TV e uma webcam. Quando você fica em frente ao toten seu corpo é detectado e um retângulo é desenhado em volta dele. E o objetivo da obra é bem simples… tentar ficar dentro quadrado, que se move, sem tocar suas bordas. (Lembra da música? Ado a Ado, cada um no seu quadrado, kkkk).

Les Disciplines du Rectangle

A obra que mais chama atenção e a curiosidade dos visitantes é a “The Physical Mind”, do artista holandês Teun Vonk. A obra proporciona aos participantes sensações que mudam do desconforto para o relaxamento aplicando uma pressão física ao seu corpo. É muito legal! Vale a pena pegar a fila, mas para participar dela é necessário ter no mínimo 50 kg. Caso este não for seu caso não conseguirá participar :(.

The Pshysical Mind

Os outros ambientes tem inúmeras obras, como: “KAGE-table“, onde sombras computadorizadas são projetadas em uma mesa. “I know myself“, da artista austríaca Martina Menegon, onde a aproximação e movimentação do visitante faz com que a projeção do corpo da artista tente sair do ambiente virtual. “Perfect View” (Vista Perfeita), uma escultura interativa, onde o espectador deve caminhar em torno de um vaso, e somente conseguirá ver o seu lado mais belo. Esta obra personifica o desejo humano de sempre mostrar o seu melhor lado para os outros.

Outra obra bem interessante é a “The Breathing Cloud”, da artista holandesa Dorette Sturm, que reproduz o movimento da respiração. A estrutura flutuante, que representa uma nuvem, fica expandindo e retraindo. Bem legal ?

the breathing cloud

Ahh, e não se esqueça de visitar o subsolo do Centro Cultural da FIESP, pois ali estão outras obras interativas. Além disso, no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil) há uma obra que faz parte da exposição, o FILE SOLO. Estou doido para ir lá, deve ser demais!

E ai, vamos interagir com a arte? Já foi e curtiu? Compartilhe sua experiência conosco.

Período da exposição: 18 de Julho a 03 de Setembro de 2017

Horário : de Segunda à Segunda das 10:00 às 20:00 hs

Endereço: Avenida Paulista, 1313 – Jardins – São Paulo , em frente ao metro Trianon -MASP

Mais informações: http://file.org.br/

Até o próximo post.

Diego Arena e Ellen Arena